“Quer queiram quer não, Bruno de Carvalho revolucionou o Sporting”, diz Inácio

Portugal

“Quer queiram quer não, Bruno de Carvalho revolucionou o Sporting”, diz Inácio

Ex-dirigente leonino destaca união entre adeptos e equipa e melhoria nas modalidades

Em entrevista ao jornal ‘A Bola’, Augusto Inácio abordou algumas questões da atualidade do Sporting, desde o ataque a Alcochete ao despedimento de Mihajlovic (temas que se esgrimem em tribunal), e recordou o projeto de Bruno de Carvalho.

“Eu não conhecia Bruno de Carvalho. Recebi uma chamada dele a informar-me que queria candidatar-se e a mostrar vontade de falar comigo”, conta.

O antigo treinador leonino, que também desempenhou funções na estrutura, conheceu o ex-presidente na Mealhada. “Comemos uma sandes de leitão e falámos durante três ou quatro horas. Mostrou-me o organigrama e o programa. Tinha 120 ponto e eu estava de acordo com 118”, recorda.

Bruno convenceu Inácio. “Perguntei-lhe: ‘É mesmo isto que vai fazer?’. E ele respondeu-me: ‘Se não for isto, podes ir para as televisões rasgar-me todo; vou cumprir isto!’. E eu: ‘Se é isto, estou consigo’”, revela.

Augusto Inácio trabalhou com Bruno de Carvalho e desde logo ficou “impressionado” com a “raça e espírito de união” que o então presidente denotava.

“Não ganhámos em 2011, ganhámos mais tarde. E, quer queiram quer não, Bruno de Carvalho revolucionou o Sporting. Trouxe as pessoas para as bancadas, pôs as modalidades num nível competitivo raramente visto. Houve um ano em que as modalidades ganharam tudo!”, lembra.

Anos mais tarde, já em 2018, Inácio reencontra um Bruno de Carvalho “preocupado”, no “meio de confusões”, com o ataque a Alcochete e num processo de rescisões de jogadores.

Dá-se a derrota na Taça, a saída de Jorge Jesus e o tumulto que fica escrito na história do Sporting.

“Sobre o que antecedeu tudo isso, não sei, não estava lá…”, sublinha, lembrando, no entanto, que “nunca teve problemas em apontar-lhe o que estava mal”.

Inácio não esconde alguma frustração por ver o  Sporting a 13 pontos do Benfica, após a derrota com o Gil Vicente, e fora da luta pelo título – só a matemática desmente esta realidade –, eliminado da Taça e com a Taça da Liga em risco.

“Não vou enganar os sportinguistas. O Sporting tem um plantel muito inferior, mas mesmo muito inferior aos de Benfica e FC Porto”, lamenta, pedindo aos dirigentes que falem verdade.

O ex-dirigente deixa outras críticas à direção de Frederico Varandas, em particular no caso do litígio com as claques.

“A maior de todas as forças que o Sporting tem é a sua massa associativa, são os sócios, os adeptos e as claques. Penso que houve alguma falta de diplomacia na resolução da questão”, aponta.

Fonte: https://bancada.pt

Partilhar:
Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter